Imigrante foi o último projeto criado por André Penteado em Londres, onde viveu por sete anos. Foi concebido a partir de seu desejo de refletir sobre sua experiência como imigrante.

Seu ponto de partida foi uma pesquisa sobre o tema da psicologia da imigração, que apresentou ao artista a ideia de que, para combater a dor emocional que sentem pela mudança de local de residência, os imigrantes desenvolvem estratégias de sobrevivência. Uma das mais importantes delas envolve a criação de "bolhas", nas quais eles podem liberar o estresse de estar vivendo dentro de uma nova cultura. São exemplos deste procedimento: frequentar lugares que servem a sua comida e tocam músicas de seu país, comprar produtos de sua terra natal, telefonar com frequência para parentes que não emigraram etc.

Pesquisando estes procedimentos, André descobriu que alguns grupos de imigrantes, especialmente de países quentes como a Índia e o Paquistão, visitavam frequentemente as estufas de Kew Gardens – o Jardim Botânico de Londres. De acordo com um de seus gerentes, Nick Johnson, as pessoas desses grupos diziam que frequentam o local porque lá "se sentiam em casa".

O artista, como brasileiro, compreendeu o que diziam. Visitando a Princess of Wales Conservatory – uma das três estufas de do jardim botânico – durante o inverno, ele sentiu o calor e a umidade do Brasil e se viu em contato com muitas plantas de lá. A conexão com sua terra natal foi imediata.

A partir desta experiência, buscando expressar visualmente o processo de imigração, a estratégia da "bolha" e a transformação que os imigrantes inevitavelmente sofrerão ao deixar seu país de origem, ele criou três séries fotográficas e dois vídeos.

A primeira série, chamada Em Casa, compreende vistas do interior do Princess of Wales Conservatory (PoWC), que mostram sempre o teto de vidro do edifício.

A segunda série é chamada Plantas Brasileiras e mostra os espécimes que o artista conseguiu identificar no PoWC em suas diversas visitas. Essas fotografias foram tiradas com uma câmera point and shoot, com o uso de flash, o que torna seu estilo visual semelhante às fotografias dos turistas. Estas imagens são acompanhadas pela ficha de cada planta existente no arquivos de Kew Gardens.

A terceira série é chamada Os Outros e mostra imagens de troncos de árvores existentes ao redor das estufas de Kew Gardens. Diferentemente de todas as outras obras neste projeto, essas fotografias são em preto e branco. Os Outros busca tratar da forma como os emigrantes inicialmente veem os habitantes e a cultura dos países que os recebem.

O primeiro trabalho em vídeo se chama A Jornada e é composto por quatro canais, mostrando: imagens do interior de uma casa em Londres no decorrer de um dia; a vista fora da janela de um trem de superfície que faz o trajeto entre o leste de Londres e o Kew Gardens; imagens do interior do PoWC e, por fim, imagens do interior de uma casa em São Paulo.

O segundo trabalho em vídeo se chama A Troca e é uma animação em dois canais que mostram as bandeiras do Brasil e do Reino Unido, lado a lado, trocando suas cores lentamente.